Spatz3 - Balão Intragástrico Ajustável

Implicações nutricionais de realizar uma cirurgia bariátrica

Implicações nutricionais de realizar uma cirurgia bariátrica

Por diversas vezes nós falamos no blog sobre procedimentos para perda de peso e cuidados que o paciente deve ter. E muitas vezes surgem dúvidas sobre a cirurgia bariátrica, uma das técnicas mais utilizadas no mundo como método de emagrecimento. Uma delas trata das implicações nutricionais ao realizar uma cirurgia bariátrica. Por isso, nós conversamos com a nutricionista Emilly Ramos, para entender melhor sobre este processo.

Segundo Emilly as principais implicações nutricionais de realizar uma cirurgia bariátrica são as carências nutricionais. “Além da carência nutricional podemos apontar as possíveis complicações derivadas das técnicas cirúrgicas”, aponta. Em inúmeros casos de cirurgia bariátrica o paciente não obtém um bom processo pré-operatório e isso faz com que o pós seja menos aceito. Mais um exemplo da importância do acompanhamento multidisciplinar em casos de cirurgia bariátrica.

“Com baixa capacidade gástrica, os pacientes que fizeram bariátrica são submetidos a dietas com poucas calorias nos dias pós-cirurgia. Inicia-se com a dieta de líquidos claros e baixo volume para a readaptação do estômago e todo o processo padrão. Sendo assim, a baixa ingestão alimentar e, muitas vezes, a falta de um trabalho multidisciplinar, com uma importante reeducação alimentar gradual, faz com que muitos pacientes se desmotivem e se deparem com o efeito casata pós-cirurgico”, avalia Emilly.

O que muda no corpo e no processamento de nutrientes, biologicamente falando, após a cirurgia bariátrica?

Antes de falar das mudanças e nas implicações é preciso diferenciar os tipos de técnicas de cirurgia bariátrica. “Podemos classificar os procedimentos em restritivos, disabsortivos e mistos”, explica a nutricionista. As operações restritivas diminuem a entrada de alimento e promovem um rápido sentimento de saciedade após a refeição. Já os procedimentos de disabsorção reduzem a absorção das calorias, proteínas e outros nutrientes. Enquanto isso, a técnica mista é a combinação de ambas.

Para exemplificar melhor, Emilly dá como exemplo o bypass gástrico, procedimento mais realizado no mundo quando se fala em bariátrica. “O Bypass é um técnica combinada, ou seja, restritiva e disabsortiva. O elemento restritivo na criação de uma pequena bolsa gástrica que, ao ser distendida pela comida, gera sensação de saciedade. O elemento disabsortivo é o bypass intestinal, cuja sua extensão diminuirá o grau de má-absorção de nutrientes. E as complicações desta técnica a longo prazo podem estar associados à síndrome de Dumping*, rompimento do grampo e hérnias internas”.

Em suma, deficiências em ferro, folato, vitaminas do complexo B, principalmente B12, cálcio, vitamina D, vitamina A e zinco, anemias e osteoporose são complicações comuns na grande maioria dos casos. “Além dos sítios absortivos terem sido desviados nessas técnicas a secreção das enzimas digestivas da pequena bolsa estomacal é significativamente baixa. Ademais, a absorção do ferro, vitamina B12, cálcio, zinco e ácido fólico fica gravemente limitada devido à acloridria”, aponta.

Ainda falando sobre implicações nutricionais de realizar uma cirurgia bariátrica, Emilly explica. “A adequação de micronutrientes é importante para manutenção da saúde e para o resultado final. Para obter o máximo de sucesso na manutenção e perda de peso em longo prazo. Para isso é necessário o conhecimento sobre as principais deficiências nutricionais presentes nestes pacientes. Isso para que se possa desenvolver protocolos de intervenção clínica e nutricional”.

Paciente precisa estar bem orientado sobre a cirurgia bariátrica

Muitos pacientes têm dificuldade de compreender que os métodos de emagrecimento, como a cirurgia bariátrica, não são milagrosos. Para obter resultados satisfatórios, especialmente no longo prazo, a pessoa precisa estar disposta a mudar seus hábitos. O ganho de peso não se dá do dia para a noite, assim como o processo de perda de peso. Por isso o acompanhamento multidisciplinar é tão importante em casos de cirurgia bariátrica.

Diferente do que muitos pensam o problema com o peso não é somente uma questão fisiológica. Educação alimentar, acompanhamento psicológico e físico e apoio da família fazem parte do sucesso após a cirurgia bariátrica. “Por ser um procedimento invasivo, se o paciente não estiver bem orientado pode ocorrer complicações”, explica Emilly sobre a bariátrica.

Acompanhamento multidisciplinar da cirurgia bariátrica:

A nutricionista aponta ainda para um detalhe de extrema importância e que vai muito além da alimentação. “A cirurgia bariátrica é um momento delicado onde o paciente precisa estar ciente que no primeiro momento as quantidades e tipos de alimentos mudarão. Isso é, muitas vezes, de difícil aceitação, podendo causar alguns transtornos. Por isso médicos, nutricionistas, psicólogos e outros profissionais são de extrema importância em todo processo”. 

A aceitação dos pacientes submetidos a cirurgia bariátrica é um momento que necessita de extrema atenção por parte da equipe. Mudanças radicais implicam em diversos tipos de reação, não só físicas, mas psicológicas. Estar preparado para encarar este desafio é o primeiro passo no sucesso do processo de perda de peso.

Como vimos, as implicações nutricionais ao realizar uma cirurgia bariátrica é apenas um dos estágios no processo. Perder peso está relacionado a mudança de hábitos e muita força de vontade. E não é simplesmente perder peso, o emagrecimento deve ser saudável. O paciente precisa estar bem decidido a encarar o processo e ciente de que os resultados não virão de forma repentina. No processo pós-cirurgia bariátrica o papel familiar também se faz muito importante.

*Síndrome de Dumping :

É causada pela rápida passagem de alimentos com grande concentração de gordura ou açúcar do estômago para o intestino. Resultado de uma alteração anatômica do estômago em pacientes submetidos a cirurgias gástricas, como a bariátrica. Os sintomas gerados pela síndrome são cefaléia, taquicardia, sudorese, náusea, fraqueza, entre outros. Estes sintomas podem aparecer de maneira rápida, uma hora após as refeições, ou mais tarde, até três horas depois.

Pessoas com sinais frequentes de dumping devem passar por uma alimentação diferenciada. “Nestes casos, o paciente submetido a cirurgia bariátrica evite o consumo de açúcares, doces e alimentos gordurosos. Além de ser interessante também associar o consumo de proteínas ao consumo de carboidratos e fibras. Isso ajuda a lentificar um pouco mais a digestão. É importante aumentar o fracionamento e diminuir o volume das refeições. Já na questão hídrica é recomendado que o paciente não faça ingestão de líquidos durante as refeições”, explica Emilly.

Caso os sintomas mantenham-se presentes é indicado que o paciente permanece sentado ou deitado até que passem. Além disso, se o dumping seguir a indicação é que a pessoa procure um médico e/ou o nutricionista.

Canal Spatz

Add comment

Arquivos